sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Take your passion and make it happen

Tá muito na cara que eu acordei com um instinto Flashdance hoje? O negócio é que, apesar de ontem eu ter recebido a notícia de que querem jogar meu diploma no lixo - e acreditem, isso me fez entrar numa bad interna que eu não sei como tô vivendo o dia de hoje -, hoje acordei com uma coisa diferente dentro de mim. Algo me inspirando, algo me incomodando, algo fervendo... Senti que não podia deixar passar e então o resultado é esse mini post/desabafo de hoje. Vocês sabem que minhas aleatoriedades às vezes atacam por aqui, então me aguentem um pouquinho, tá? Prometo que não vou demorar.

Pegue sua paixão e faça acontecer.


Essa música é muito minha, sério. 

Aí ouvindo essa música maravilhosa eu me peguei pensando o que eu realmente tô fazendo pra que meus sonhos se tornem realidade. Será que eu tô fazendo o suficiente? A grande parte - a parte neurótica - de mim acha que não e a outra parte pensa que tudo o que eu fiz até agora não valeu de nada. A situação atual do país e os grandes desserviços que estão sendo propostos e aprovados pelos nossos eleitos governantes (ou não eleitos também) também não estão colaborando em nada para a realização dos planos que eu tinha pra minha vida. Assim, eu acho que comecei a pensar diferente esses dias. Comecei a imaginar alguns outros planos, tentar traçar mentalmente caminhos totalmente diferentes dos que eu tinha na cabeça, talvez retomar antigas possibilidades, comecei a pensar no que eu posso fazer com o que tenho hoje. Eu não sei o que deu em mim, mas acho que com o fim de alguns ciclos chegando e as águas paradas do jeito que estão, eu comecei a pensar no que é que eu vou fazer agora. Eu preciso viver de alguma forma. 


Cheguei num ponto em que comecei a pensar realmente em tomar caminho completamente diferentes dos que eu estava seguindo. Do que será que eu teria que abrir mão pra seguir por esses novos caminhos? Dos meus sonhos? Talvez? Não sei, hoje eu tô cheia de incertezas. Mas aí quando eu penso numa vida nem viver meus sonhos, eu não vivo. Meu sonho é o movimento, meu sonho é música, meu sonho é aprendizado, meu sonho é arte. Meu sonho é lindo. E eu vou me jogar de cabeça nele e agarrá-lo com unhas, dentes e tudo mais o que eu tiver. Por quantos caminhos eu vou ter que passar até realizá-los? Não sei. E será que vou um dia conseguir realizá-los? Também não sei. Certeza é a coisa que eu menos tenho agora. Mas meus sonhos são importantes demais. E não vou abrir mão deles. Eu sonho de um jeito que faz com que seja isso que me move e isso pra mim é tão forte! Eu vou lutar até o dia em que eu não conseguir mais respirar. Vou lutar pelos meus sonhos até o dia em que eles se tornem realidade. 

Vou fazer com que aconteçam.  

Ray Menezes

8 comentários :

  1. Arrasou mulher!
    Exatamente, o segredo é não desistir, persistir e lutar até o fim ♥
    beijos
    http://www.tatycamposblog.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi! Não acho que essa medida jogará o seu diploma no lixo - muito pelo contrário, até. Pela matéria deixar de ser uma obrigatoriedade os professores terão mais tempo para concentrar seus esforços nos alunos que realmente gostam e se dedicam à ela. Mas é uma questão de ponto de vista e entendo a sua frustração. Entretanto não desista dos seus sonhos por fatores externos. Se você ama o que faz, persista. Não será isso que definirá o tipo de profissional que você é/será, tampouco que definirá o rumo da sua vida. Força! Beijos.

    Me chama de Bella

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É questão de ponto de vista mesmo, Bella. A medida coloca a minha e outras importantes áreas de conhecimento como conhecimento eletivo e pelo que entendi (me corrija se eu estiver enganada, por favor), as escolas decidirão se é relevante ou não ofertar a disciplina, não o aluno. E ainda que fosse escolha do aluno, num sistema educacional que preza pelo decoreba de informações para uma ocasião pontual (vestibulares e enem e concursos e essas coisas), ao meu ver, conhecimentos essenciais para o desenvolvimento do aluno/jovem/cidadão serão deixados de lado para que esse tempo seja usado para coisas "mais relevantes" (obrigatórias). Não é questão de realmente gostar de disciplina x, é questão de reconhecer a importância de áreas diversas de conhecimento. Por exemplo: eu, particularmente, detesto disciplinas da área de exatas e fui obrigada a realmente me dedicar à elas, não acho que tenha sido uma perda de tempo extrema na minha vida e reconheço a importância delas para a sociedade.

      Mas é assim, mesmo. Nós, profissionais das áreas afetadas, estamos na posição mais delicada e prejudicada nessa discussão e, sim, estamos bem frustrados com isso. Mas acredito que vai ter luta coletiva e torço que a causa tenha apoio de muita gente. Mas enfim, é questão de ponto de vista mesmo. Eu amo o que faço sim, acho que merece tanta relevância quanto qualquer outra área de estudo e não vou desistir não. Por mim, muita gente ainda vai ter que quebrar a cabeça estudando Filosofia, Sociologia, Artes e Educação Física na vida hahahaha.

      Obrigada pela visita, beijos!

      Excluir
  3. Só lhe digo uma coia jamais dica que você nao pode, que nao consegue, por que com esforço você chega lá!
    beijos!
    www.garotadelicada.com.br

    ResponderExcluir
  4. Me encontro em situação semelhante a sua, viu? Como sempre neurótica, é quase que impossível não viver em paraíso com os "e se..." da vida.
    A gente segue caminhos achando que são o suficiente, mas depois vê que o melhor a fazer é mudar os meios. E não tenha medo de mudá-los. Colocar pra mexer essas águas paradas é sinal de vontade e logo logo o ritmo torna-se natural :D

    beijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir
  5. Incrível demais a sua postagem. Eu me pego pensando muito sobre isso também, porque estou contestando muitos dos hábitos que acabamos, culturalmente, tendo. E, sabe, eu costumava ter muito receio de mudanças. Ficava triste quando as coisas não saiam como eu havia planejado e me pegava sem saber como agir. Mas isso que é o bom de pararmos para refletir. Precisamos saber o que nos faz bem e ir atrás disso, sabendo também que a definição de bem pode mudar frequentemente. A gente muda e essa é a alegria da vida. E, sim, com dedicação chegaremos lá. Adorei sua postura! :)
    Beijos,
    Bru
    Blog Moderando

    ResponderExcluir
  6. Ray, pode desabafar pra gente quando quiser, viu? Desabafar faz bem!
    Quando soube sobre essa medida não acreditei, foi um choque. Mas eu acredito que ela não será aplicada e mesmo que tentem haverá luta e resistência. Tô contigo, Ray! <3

    Beijão, mariasabetudo

    ResponderExcluir
  7. Ray, tenho essas crises existenciais quase que diariamente e talvez seja por isso que aceitei fazer parte do blog da Tati, precisava expor minhas ideias que as vezes não são tão ruins, e te digo: É BOM. Tenta continuar com esses mini desabafos, nem que seja para si mesma, pois é um grande passo para o autoconhecimento e automaticamente, para a melhor tomada de decisões. VAMOS QUE VAMOS!!! Beijos: http://www.tatycamposblog.com/

    ResponderExcluir

Olá! Obrigada pela visita! Se quiser deixar um comentário falando sobre o que você achou do blog/post eu ficarei muito feliz e faço questão de retribuir a sua visita, se você deixar o endereço do seu blog :3 Até breve! ❥